25 de setembro de 2017

Barba Ruiva

۞ ADM Sleipnir



O Barba Ruiva, também chamado de Urué, Barba Nova ou Cabeça Vermelha, é um personagem do folclore do estado do Piauí, sendo bastante popular na região da lagoa de Paranaguá. Ele é um ente encantado, considerado filho da sereia Iara. Sua figura está associada a a lenda do surgimento da lagoa de Paranaguá.

De acordo com a lenda, no local onde hoje existe a lagoa de Paranaguá havia em seu lugar uma imensa mata de carnaubeiras, cortada por um pequeno riacho. Próximo a esse local, vivia uma viúva e suas três filhas. Um dia, a filha mais nova ficou doente e ninguém foi capaz de descobrir qual era a sua doença. Mais tarde, foi descoberto que ela estava grávida de um menino, filho de seu namorado que havia morrido antes de se casar com ela.

Ao chegar o momento de dar à luz, a moça entrou na mata. Confusa e sentido muitas dores, ela decidiu que ia abandonar a criança ali mesmo. Assim que a criança nasceu, ela a embalou em um tacho de cobre e a deixou dentro do riacho. O tacho afundou, mas foi trazido à tona por Iara, a rainha das águas. 


Triste e brava pela mãe ter abandonado o filho em suas águas, Iara provocou o crescimento das águas, que, em uma enchente sem fim, alagaram e encharcaram toda a região. As águas tomaram toda a várzea, passando por cima das carnaubeiras e dos buritis. Desde então, a lagoa tornou-se um lugar mágico, onde se ouvem estranhas vozes e observam-se luzes de origem desconhecida. Muitos moradores da região dizem que, durante a noite, pode-se ouvir o choro de um bebê vindo do fundo das águas. 

Conta ainda a lenda que, às vezes, surge das águas um ser humano que, pela manhã, é menino, ao meio-dia, é um rapaz de barbas ruivas e, à noite, um velho de barbas brancas. Muito tímido, ele foge dos homens quando é visto, porém, gosta de se aproximar das mulheres que vão até a lagoa bater roupa, tentando abraça-las e beijá-las. Depois, corre e pula na lagoa, desaparecendo. Por causa disso, nenhuma mulher bate roupa ou toma banho na lagoa sozinha, com medo de ser atacada pelo Barba Ruiva. 

fonte da imagem: Brasil Fantástico
Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

22 de setembro de 2017

Kokabiel

۞ ADM Sleipnir


Arte de Peter Mohrbacher
Kokabiel ou Cocabiel (em aramaico: כוכבאל; em grego: χωβαβιήλ, "estrela de Deus"); também pronunciado Kôkabîêl, Kôkhabîêl, Kakabel, Kochbiel, Kokbiel, Kabaiel, ou Kochab, é um anjo caído de acordo com o antigo texto apócrifo conhecido como o Livro de Enoque. Ele é um dos 20 anjos líderes dentre os 200 anjos caídos, sendo o quarto anjo mencionado. É dito que ele comanda um exército de 365000 demônios.

Apesar de quase todos textos apócrifos em que ele é mencionado o descreverem como um anjo caído, o Sepher Raziel ("o Livro de Raziel"), o descreve como sendo um anjo santo. Ele domina a astrologia e a teria ensinado aos seres humanos.

Cultura popular

No anime/light novel Highschool DXD, Kokabiel é um dos principais antagonistas, sendo caracterizado como um jovem com cabelos pretos, orelhas pontudas e cinco pares de asas negras.


fontes:
  • The Encyclopedia of Demons and Demonology, de Rosemary Guiley; 
  • Wikipédia (em inglês).
Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

20 de setembro de 2017

Kyōrinrin

۞ ADM Sleipnir


Kyōrinrin (em japonês: 経凛々ou きょうりんりん, "Sutra inspirador") é um yokai ilustrado por Toriyama Sekien no livro  Gazu Hyakki Tsurezure Bukuro ("A bolsa ilustrada dos cem demônios aleatórios" ou " Uma horda de utensílios assombrados"), o 4º de sua famosa série.

Ele é um tipo de tsukumogami (付喪神 - "espírito artefato") formado a partir de livros, escrituras e pergaminhos antigos que foram negligenciados pelos seus donos e foram deixados largados em algum local por bastante tempo. Comprimidos pela sabedoria dos séculos, eles se juntam e transformam em um espírito cuja a aparência se assemelha a um dragão.


Kyōrinrin é muitas vezes enfeitado, como os pergaminhos que compõem o seu corpo. Ele se decora com os volumes mais enfeitados, usando-os como um quimono e usa rolos com borlas para enfeitar sua cabeça. Desenvolve um bico em forma de pássaro e braços longos e extensíveis, os quais usa para atacar os proprietários ignorantes que deixam esses tesouros e conhecimento inestimáveis caírem em desuso.

Arte de Matthew Meyer

Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

18 de setembro de 2017

Lâmpades

۞ ADM Sleipnir


Lâmpades (do grego Λαμπάδες, em latim: nymphae avernales, "Ninfas Infernais") são ninfas do submundo de acordo com a mitologia grega. 

Companheiras de Hécate, a deusa titânide grega da feitiçaria e encruzilhada, elas foram um presente de Zeus para Hécate por sua lealdade a ele durante a TitanomaquiaElas carregam tochas e acompanham Hécate nas suas viagens e aparições noturnas. Alguns diziam que suas tochas tinham o poder de levar uma pessoa à loucura.

As Lâmpades eram as contrapartes divinas dos celebrantes de Elêusis que carregavam tochas durante os ritos noturnos dos mistérios de Deméter.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

15 de setembro de 2017

Adlet

۞ ADM Sleipnir

Adlet (ou Erqigdlet) são uma raça de canídeos com características humanoides pertencentes a mitologia inuíte. Segundo o mito, eles eram o fruto do acasalamento entre Niviarsiang, uma jovem inuíte, e Ijirqang, um cão vermelho que era capaz de se transformar em um ser humano.

De acordo com o mito inuíte, Niviarsiang já havia recusado muitos pretendentes, e seu pai Savirqong, já sem paciência, lhe disse que se nenhum homem era suficientemente bom para ela, ela poderia muito bem casar-se com um cão. No dia seguinte, um novo pretendente, Ijirqang, bateu a sua porta, usando um amuleto em formato de garras de cão. Desta vez, Niviarsiang não recusou seu pretendente, e os dois foram morar em uma ilha próxima. Após um tempo, Niviarsiang começou a suspeitar que Ijirqang era na verdade um cão que podia assumir a forma humana, mas suas suspeitas só vieram a se confirmar quando ela deu a luz a uma ninhada de cinco filhotes de cachorro e cinco bebês humanos.




Em uma versão da lenda, os cinco filhos totalmente caninos foram abandonados em um barco a deriva no mar, e vieram a se tornar os ancestrais dos povos brancos europeus. Já os cinco bebês humanos permaneceram com a mãe, e com o tempo se transformaram em Adlets, tornando-se viciosos guerreiros canibais.

Numa segunda versão deste mito, Ijirqang nadava até a casa do pai de sua esposa todos os dias para ser alimentado, uma vez que em sua forma de cão, ele era incapaz de caçar. Após um tempo, o pai  da jovem se cansou de alimentar a família de sua filha, por isso ele colocou pedras no saco junto da carne que ele deu a Ijirqang. Com o peso da bolsa, Ijirqang não conseguiu ir muito longe, morrendo após afundar no mar e se afogar. Niviarsiang tomou conhecimento do fim que levou seu marido, e assim que seu pai veio visitá-la, ela enviou seus filhos cães sobre ele, e eles o mataram. Sem marido e agora sem seu pai, Niviarsiang não tinha mais meios de manter a si mesma e seus dez filhos, então decidiu deixar seus filhos entregues à própria sorte. Ela transformou suas botas em barcos e colocou seus dez filhos neles, despachando-os ao mar. Apesar disso, eles sobreviveram, e de acordo com a crença inuíte, eles vieram a se tornar os ancestrais dos povos nativos americanos e também dos povos brancos.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

14 de setembro de 2017

5 Anos de Blog!

۞ ADM Sleipnir


Olá pessoal! Hoje completamos 5 anos de Portal dos Mitos. Tenho me esforçado bastante para manter o blog sempre atualizado, e tentando trazer o melhor conteúdo possível. Agradeço a todos que nos acompanham por aqui, pela página ou pelo nosso canal no Youtube, que no momento encontra-se paralisado por falta de tempo para me dedicar a ele.

Deixo um agradecimento especial a vocês que comentam as postagens. Eu gosto muito quando vejo uma publicação nossa recebe um feedback de vocês, seja positivo ou negativo, pois me mostra onde estou acertando e onde estou errando no que faço aqui no blog.

Obrigado a todos vocês! Que venham mais 5 anos!!

Rodrigo Viany (Sleipnir)


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

13 de setembro de 2017

Popobawa

۞ ADM Sleipnir


Popobawa (ou também Popo Bawa, literalmente "asa de morcego" em suaíli) é um espírito maligno presente na mitologia e na crença popular da África Oriental. Ele é geralmente representado como uma criatura semelhante a um enorme morcego, de pele vermelha e com apenas um olho na face, porém ele é um ser metamorfo capaz de assumir formas humanas ou animais, e também capaz de metamorfosear rapidamente de uma forma para a outra. Às vezes ele combina formas humanas e animais, assemelhando-se a bestas dos tipos mais exóticos.

O Popobawa é dito ser uma criatura de hábitos noturnos, cuja presença pode ser identificada por um forte odor de enxofre. Ele ataca indiscriminadamente homens, mulheres e crianças, podendo atacar todos os membros de uma família, antes de passar para outra casa na vizinhança. Seus ataques podem ser apenas físicos ou acompanhados de fenômenos poltergeist. Um dos comportamentos mais perturbadores e temidos associados ao Popobawa é o estupro/sodomia das suas vítimas.



Durante um alegado ataque de um Popobawa, muitas pessoas tentam se proteger passando a noite acordados fora de suas casas, muitas vezes reunidos em torno de uma fogueira com outros membros da família e vizinhos. 

Os primeiros avistamentos atribuídos ao Popobawa foram relatados em Pemba, Zanzibar, no ano de 1965 e o último ocorreu em Dar es Salaam, Tanzânia, em 2007. Os relatos de ataques costumam aumentar com o ciclo eleitoral em Zanzibar, embora as vítimas argumentem que o Popobawa é apolítico. Uma explicação apresentada para a conexão do Popobawa com o ciclo eleitoral é a afirmação de que o Popobawa é o fantasma vingativo do ex-presidente Abeid Karume, assassinado em 1972, ou então é um demônio invocado pelo partido político Chama Cha Mapinduzi.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

11 de setembro de 2017

Namtar

۞ ADM Sleipnir

Arte de Matias Cabezas, para o card game Mitos Y Leyendas

Namtar
(também Namtaru, ou Namtara, ''destino"), era uma divindade menor do submundo na mitologia mesopotâmica, conhecido como o portador das doenças e pestilências. Ele era filho dos deuses Enlil e Ereshkigal, sendo gerado durante o período em que Enlil esteve nos domínios da deusa, pela punição por ter violado a deusa Ninlil.

Ao crescer, Namtar tornou-se um vizir de Ereshkigal, e atuava como seu mensageiro. Ele comandava sessenta doenças na forma de espíritos malígnos que podiam penetrar em diferentes partes do corpo humano. Ao lado de Nergal (sob a forma do deus Erra), Namtar era considerado o causador de todas as doenças do mundo.

Em certa ocasião Enlil quis destruir a humanidade por causa do barulho que produziam em suas cidades. Então mandou Namtar à Terra para que espalhasse uma terrível praga, mas ao chegar, Namtar foi surpreendido pelas inumeráveis oferendas que os homens lhe prestavam, e por isso não teve coragem de destruir a humanidade.

Namtar tinha uma consorte, a deusa Hushbishag, que guardava o registro do tempo de morte dos indivíduos.

Arte de Namtar no mobile game Tower of Saviors

Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

8 de setembro de 2017

Tir

۞ ADM Sleipnir

Arte de Andranik Asatryan
Tir (ou Tiur, em armênio: Տիր) era o deus da linguagem escrita, da aprendizagem, da retórica, da sabedoria e das artes, adorado na antiga Armênia.

Ele era o filho de Hayk ( lendário patriarca e fundador da nação armênia) e considerado mensageiro do deus supremo Aramazd. Era também um adivinho, explicava sonhos, registrava as boas e más ações dos homens e também guiava as almas para o mundo inferior. Tir passava um mês do ano documentando os nascimentos e mortes de pessoas em seu diário, e durante os outros onze meses, ele se dedicava a dar inspiração a escritores, poetas, músicos, escultores e arquitetos.

O templo de Tir era localizado perto da cidade de Artaxata. O 4º mês do antigo calendário armênio foi nomeado após Tir; "Tre" ou "Tri". Também levam o nome a montanha Tirinkatar, a cidade Tirakatar, as aldeias Tre e Tirarich, e alguns nomes armênios como Tiran, Tirots e Tiridates. No período helenístico, os armênios consideravam Tir como os deuses gregos Apolo e Hermes.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

6 de setembro de 2017

Amaethon

۞ ADM Sleipnir



Amaethon (ou Amathaon, "lavrador", "lavrador divino" ou "grande lavrador" em galês), era um deus galês da agricultura, associado com animais selvagens e a fecundidade da terra.

Ele era filho de Don, a grande deusa mãe galesa (equivalente a celta Danu), e seus principais irmãos eram Gofannon, o deus dos ferreiros, Gwydion, o deus da magia e Arianrhod, a deusa lunar. Os filhos de Don eram conhecidos como os "filhos da luz" e constantemente estavam em guerra com o deus do mar Llyr e seus filhos, que eram conhecidos como os "filhos da escuridão".

O mito mais famoso sobre Amaethon diz respeito a uma ave, um cão sagrado e um cabrito branco que ele roubou de Arawn, um dos reis do submundo, usando sua magia. Amaethon era capaz de entrar e sair do submundo sem ser prejudicado ou alterado de alguma maneira.

O roubo desses animais deu início a uma batalha entre Arawn e Amaethon, que foi ajudado por Gwydion. Esta batalha foi chamada de "Batalha das Árvores" (Cad Goddeu), porque Gwydion usou sua magia para transformar árvores em guerreiros durante o conflito, e isso lhes permitiu derrotar Arawn e seu exército.




Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

4 de setembro de 2017

Carcinos

۞ ADM Sleipnir



Carcinos (grego: καρκῐ́νος, Karkinos) é um caranguejo gigante pertencente à mitologia grega. Durante o segundo trabalho de Héracles (matar a Hidra de Lerna), a deusa Hera enviou Carcinos na tentativa de distrair o herói e, assim, dar à Hidra de Lerna a vantagem. Carcinos no entanto, não foi páreo para Héracles, que com apenas um pisão abriu sua casca e o matou.

Como uma recompensa por dar sua vida seguindo as ordens de Hera, a deusa colocou Carcinos entre os céus como a constelação de Câncer, que tem como vizinha a constelação de Hidra.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

1 de setembro de 2017

Ghatanothoa

۞ ADM Sleipnir


Arte de Borja Pindado
Ghatanothoa (O Deus das Trevas) é uma deidade fictícia presente nos Mitos de Cthullu, aparecendo pela primeira vez na curta história Out Of The Aeons" (1935) de H. P. Lovecraft e Hazel Heald

Ghatanothoa é um dos Grandes Antigos e o primogênito de Cthulhu gerado por Idh-yaa no planeta Xoth. É uma monstruosidade enorme e amorfa, cuja aparência é tão hedionda que qualquer pessoa que olhe para ela (ou mesmo para uma réplica perfeita) é petrificada, transformando-se em uma múmia viva. A vítima é permanentemente imobilizada, o corpo assume a consistência do couro e o cérebro, preservado indefinidamente, ainda continua plenamente consciente. Somente a destruição do cérebro do sujeito pode liberá-lo de sua prisão infernal, embora o infeliz provavelmente seja acometido por uma incurável insanidade muito antes disso.

Ghatanothoa foi trazido do planeta Yuggoth para a Terra por uma antiga raça alienígena, possivelmente os Mi-go, que construíram uma fortaleza colossal sobre o monte Yaddith-Gho (localizado no continente afundado de Mu) e selaram Ghatanothoa dentro da montanha sob um grande alçapão. Ghatanothoa era adorado pelos antigos muvianos, que tanto o temiam quanto o respeitavam por causa de sua capacidade de transformar qualquer ser humano que olhasse para ele em múmias vivas e pensantes.

Arte de João Bosco

Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

30 de agosto de 2017

Vanth

۞ ADM Sleipnir

Arte de Maddie

Vanth
é uma deusa etrusca que servia como psicopompo e arauta da morte. Mais tarde, à medida que a cultura etrusca se desenvolveu, ela também se tornou a deusa da justiça. 

Vanth aparece em mortes, especialmente assassinatos e outras mortes violentas. No entanto, seu papel é benevolente, guiando os mortos para seu lugar apropriado no submundo. Além de acompanhar os mortos para a vida após a morte, ela também oferece misericórdia ou ajuda aos doentes, aparecendo em seus leitos de morte para levá-los ao próximo mundo. Às vezes, Vanth também protege e vigia os heróis.

Não existe uma figura equivalente real para Vanth na mitologia grega ou romana. Ela tem sido comparada as Erínias (ou Fúrias), mas estas são seres de vingança, enquanto Vanth é um ser benevolente.


Vanth é representada nas artes como uma mulher jovem e alada, vestindo uma saia curta sem nada acima da cintura, exceto uma faixa ou cinto que cruza seu peito deixando seus seios a mostra. Ela carrega consigo uma tocha, um pergaminho, uma espada, uma chave e às vezes uma serpente. Provavelmente a tocha acende o caminho, e a chave abre as portas para o submundo. O pergaminho provavelmente contém informações sobre os mortos, possivelmente um registro de sua vida ou destino.

Vanth é uma figura muito importante na arte e religião etrusca, e provavelmente tem alguma autoridade no próximo mundo. Ela não é a líder do submundo, mas também não é uma personagem menor. Outras divindades associadas à morte e ao submundo nas tradições etruscas incluem Aita, Alpan, Artume, Atunis, Charun, Culsu, Februs, Ferspnai, Leinth, Lethans, Mania, Mantus, Thethlumth, Tuchulcha, Turns Aitas, Tvath e Vetis


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

28 de agosto de 2017

Pokémon: Influências Mitológicas - Parte II

۞ ADM Sleipnir


Arte de Spacesmilodon
Essa é a 2ª parte da nossa postagem a respeito das influências mitológicas da franquia PokémonA 1ª parte você pode ler no link abaixo: 




Sableye (Goblins de Hopkinsville)


Sableye é um pokémon fantasma baseado nos Goblins de Hopkinsville, estranhas criaturas que no ano de 1955 teriam sido avistadas por moradores de uma pequena fazenda nos arredores das cidades de Kelly e Hopkinsville, ambas localizadas no condado de Christian, Kentucky (EUA). Eles foram descritos como tendo olhos brilhantes, pernas pequenas, braços com garras e remexendo os quadris (um movimento que Sableye imita nos jogos 3D de Pokémon). 




Misdreavus (Nukekubi/ Banshee/ Lang Sui)

Misdreavus, um pokémon do tipo fantasma, teve sua forma e hábitos baseados em várias criaturas mitológicas. Uma delas é o yokai Nukekubi, com quem compartilha seus hábitos noturnos, voando por aí com sua aparência de uma cabeça decapitada e assustando as pessoas. Outra possível origem é a Banshee, espírito feminino do folclore celta/gaélico que é conhecido por seus lamentos e gritos sobrenaturais.Também é possível que tenha sido baseado em umLang Suir, um tipo de vampiro da mitologia malaia conhecido por aparecer como uma cabeça voadora decapitada de uma mulher.


Gastly (Sogen Bi)


Gastly é um pokémon fantasma com a forma de uma cabeça flutuante cercada por fogo-fátuo. Sua inspiração foi o yokai Songen-bi, que compartilha da mesma aparência. De acordo com a lenda, Sogen- foi no passado um monge ímpio que passou a vida roubando o dinheiro das oferendas aos deuses, e morreu de velhice. Seus pecados não passaram impunes pelos deuses, e ele foi condenado a vagar pela terra voando sob a forma de uma cabeça em chamas.

Magmar (Karura/Garuda)


Magmar possui seu design inspirado no Karura, uma criatura divina da mitologia hindu-budista japonesa, possuidora de um corpo humano com cabeça de pássaro. Seu nome é uma transliteração do nome Garuda, e como tal, costuma ser representado também com um par de asas.



Electabuzz (Oni)

Electabuzz é um pokémon elétrico da primeira geração, cuja a inspiração veio dos Oni, uma classe de ogros/demônios da mitologia japonesa. Onis são geralmente representados com a pele vermelha e vestindo uma pele de tigre como tanga, que aliás lembra muito a pele do Electabuzz.




Darkrai (Bogeyman / Bicho Papão)

Darkrai é um sinistro pokémon do tipo noturno, e um dos lendários da região de Sinnoh. Ele invade os sonhos das pessoas e lhes causa pesadelos. Ele foi inspirado nas lendas sobre bogeymans, ou como conhecemos aqui no Brasil, Bicho-Papão. 



Rapidash (Unicórnio)


Rapidash é um pokémon da primeira geração, e a forma evoluída do pokémon Ponyta, um cavalo de fogo. Ao evoluir, Ponyta fica maior e ganha um chifre em meio a testa, tornando-o semelhante a um unicórnio.






Pumpkaboo/ Gourgeist (Jack O’ Lantern)


Pumpkaboo e Gourgeist são pokémons do tipo grama/fantasma, baseados no Jack O' Lantern (Jack da Lanterna), personagem do folclore irlandês e um dos principais símbolos do Halloween. Segundo a lenda, Jack foi um homem muito mal e perverso que tentou enganar o diabo e foi condenado a vagar eternamente pela terra. Conheça mais sobre a lenda de Jack em nossa postagem sobre o Halloween.




Phantump/Trevenant (Kodama)

Phantump e Trevenant são outra dupla de pokémons do tipo grama/fantasma, só que estes são baseados nos Kodama, espíritos/yokais ditos habitarem nas árvores, geralmente nas de maior idade ou tamanho. A maioria é pacífica e serena, partilhando a sua sabedoria com aqueles com os quais são capazes de se comunicar, porém reagem agressivamente contra aqueles que desrespeitam o meio ambiente. Acredita-se que quem derrubar uma árvore possuida por um kodama é amaldiçoado.





Goodra (Lou Carcolh)

Goodra é um pokémon do tipo dragão e baseado em uma criatura do folclore francês chamada Lou Carcolh, que é uma mistura de um réptil com um molusco, e que se acredita viver em cavernas subterrâneas no sudoeste da França. A principal diferença entre os dois é que o Lou Carcolh possui uma enorme concha em suas costas.


Meowstic (Nekomata)

Meowstic é um pokémon psíquico da sexta geração, evolução do Espurr. Sua inspiração veio do yokai felino Nekomata, que por sua vez é uma evolução de outro yokai, o Bakeneko. Bakenekos são gatos que ao atingirem uma idade muito avançada, adquirem poderes mágicos. Caso sua cauda cresça muito, ela pode se dividir em duas, e então o Bakeneko se transforma em um Nekomata, tendo seus poderes mágicos ampliados. Entre as habilidades de um Nekomata, está a capacidade de controlar cadáveres de outros seres, incluindo humanos, como se fossem marionetes.





Dunsparce (Tsuchinoco)

Dunsparce é um pokémon que apesar de parecer do tipo inseto, é apenas do tipo normal. Seu design foi baseado no Tsuchinoko, uma criatura lendária japonesa que se parece com uma cobra pequena, de 30 a 80 centímetros de comprimento, com uma circunferência que é muito mais ampla do que a cauda e a cabeça. Conta-se que possui dentes afiados e capazes de injetar veneno, além de ser capaz de saltar até um metro de distância. Nenhum registro científico deste réptil foi feito até hoje.









Abomasnow (Yeti)

Abomasnow é um pokémon de grama/gelo, coberto de pelos brancos e desgrenhados. Seu design é baseado no Yeti, conhecido como "Abominável Homem das Neves". O Yeti é uma criatura dita habitar a região do Himalaia e o governo do Nepal a reconhece como real.

Whiscash (Namazu)

Whiscash, pokémon do tipo água/terra, foi baseado em Namazu, um yokai causador de terremotos. Namazu é um bagre gigante que  gosta de causar problemas e estragos. Ao mover a sua cauda, Namazu é capaz de abalar a terra inteira .Namazu pode ser detido apenas pelo deus Kashima, que com a ajuda de uma enorme pedra gravada com o ideograma “kaname ishi” (pedra fundamental), empurra o peixe contra o subsolo, imobilizando-o. No entanto, quando Kashima abaixa a sua guarda, por cansaço ou distração, acaba permitindo que Namazu possa se mover um pouco e causar novos terremotos.





Dialga/Palkia (Izanagi/Izanami)

Dialga, o lendário pokémon dragão controlador do tempo e Palkia, o lendário pokémon dragão controlador do espaço, foram inspirados na lenda de Izanagi e Izanami, os deuses xintoístas que criaram a primeira terra. 

Após a criação do mundo, o “Céu e a Terra” eram apenas uma massa uniforme e macia que ainda estavam em evolução e precisavam ser terminados. Os deuses primordiais se reuniram para discutir sobre o destino da Terra e decidiram delegar a celestial missão da criação das ilhas ao casal mais jovem dos deuses, Izanagi e Izanami. Para ajudá-los em sua tarefa divina, foi entregue ao casal a Ame-no-nuboko (天沼矛)“A Sagrada Lança” que era coberta de pedras preciosas.

Izanagi e Izanami se colocaram a postos na ponte flutuante do céu e, com a lança em punho, agitaram o oceano primevo. Quando eles levantaram a lança, as gotas que caíam de volta para a água coagularam e formaram a primeira terra firme, uma ilha chamada Onogoro-shima (淤能碁呂島) “Espontaneamente Coagulada”.

Nos jogos da 4ª geração de pokémon, Dialga (ou Palkia, conforme sua versão) pode ser encontrada no topo do Spear Pillar (Pilar da Lança) em Sinnoh, lugar onde Palkia, Dialga e Giratina foram criados e de acordo com a lenda do jogo, toda a região de Sinnoh surgiu.



Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!
Ruby