24 de julho de 2017

Allatu

۞ ADM Sleipnir

Arte de Genzoman
Allatu (também conhecida como Allatum ou Allat) é a deusa do submundo adorada por povos semitas, incluindo os cartagineses. Ela foi inspirada na deusa mesopotâmica Ereshkigal, e também pode ser equiparada a deusa canaanita Arsay.  Seu consorte é Nergal, o deus da guerra e da pestilência.



Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

21 de julho de 2017

Chicomecoatl

۞ ADM Sleipnir




Chicomecoatl ("Sete-serpentes" na língua nauátle) é a deusa asteca da agricultura, principalmente a do milho, e a contraparte feminina ou consorte do deus do milho CenteotlEla também era chamada de Xilonen ("A peluda"), uma referência às barbas do milho em vagem. Chicomecoatl é uma deusa associada á nutrição, abundância e a fertilidade. Por tanto, era encarregada de prover alimento aos seres humanos.

Representações


Chicomecoatl foi retratada em códices astecas com o corpo e o rosto pintados de vermelho, vestindo em sua cabeça um característico cocar retangular ou um leque plissado de papel vermelho. Ela também foi representada em esculturas muitas vezes segurando uma espiga de milho em cada mão.



Culto

Uma cerimônia dedicada a Chicomecoatl ocorria no mês Huei Tozoztli ("do jejum prolongado"), que se situa em setembro. Nesse mês, os altares das casas eram decorados com milhos, e as sementes eram depositadas nos templos, onde eram abençoadas pela deusa. Dentro do templo, era oferecida em sacrifício uma jovem representando a deusa. Ela era decapitada e seu angue era vertido sobre uma estátua de Chicomecoatl, enquanto um sacerdote vestia sua pele esfolada.



Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

19 de julho de 2017

Aunyaina

۞ ADM Sleipnir


Anuyana é uma criatura pertencente ao folclore da tribo Tupari, de Rondônia. Ela é descrita como sendo uma gigantesca criatura dotada de presas de javali. De acordo com as lendas, ele é um feiticeiro que usa magia para se transformar em um terrível monstro,m cuja dieta consiste de seres humanos. 

O Anuyana caça e devora qualquer um que for tolo o suficiente para se aventurar sozinho na floresta, mas suas vítimas preferidas são as crianças. Uma vez que ele captura sua presa. ele a rasga em pedaços com suas presas e a consome inteiramente, triturando seus ossos.

Uma história conta que certa vez algumas crianças que estavam sendo perseguidas pelo Aunyaina subiram nas árvores para escaparem. As crianças pularam de árvore em árvore usando as videiras para se balançarem, e o Aunyaina as seguiu. Vendo a situação, um papagaio voou em direção ao Aunyaina e cortou a videira onde ele se perdurava no momento, fazendo com que o monstro caísse no chão e morresse. De seu cadáver, vieram os répteis e os lagartos que hoje habitam a Terra. As crianças ficaram com muito medo de descer da árvore e, eventualmente, se tornaram os macacos que vivem lá até hoje.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

17 de julho de 2017

Huay Chivo

۞ADM Sleipnir


O Huay Chivo é uma criatura lendária da região de Yucatán, no México, geralmente descrita como sendo metade humana, metade cabra. De acordo com as lendas, trata-se de um feiticeiro maligno que fez um pacto com o Kisin (expressão maia para se referir ao diabo). Como parte do ritual, ele bebeu sangue de cabra, e a partir de então adquiriu a habilidade de se transformar neste ser aterrorizante.


Conta-se que o Huay Chivo habita em lugares remotos como florestas e montanhas, e sai durante a noite para se alimentar do gado e do frango de fazendas próximas. Por conta disso, tornou-se associado  nos últimos tempos ao Chupa-cabras.

Nos povoados do interior do estado é comum ouvir diversas histórias sobre encontros com esta criatura. Diz-se que se uma pessoa cruza o caminho de um Huay Chivo, ela deve desviar o olhar. Dessa forma, ela só sentirá um frio intenso e um mau cheiro, mas se ela olhar diretamente para ele, em algumas horas sofrerá com febres e mal-estar.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

14 de julho de 2017

Galla

۞ ADM Sleipnir


Os Galla (também chamados de Gallu são um grupo de sete demônios do submundo pertencentes as mitologias suméria e acadiana. Eles atendem diretamente a Ereshkigal,  a deusa da morte e rainha de Irkalla, irmã da deusa Inanna/Ishtar.  Eles costumam ser descritos como seres com cabeça de touro, com garras e presas enormes, e carregando machados.

Qualquer um, seja um mortal ou um deus, que entra em Irkalla está condenado a permanecer lá. Os Galla, no entanto, são os únicos livres para ir e vir como quiserem. Eles vem a superfície para aterrorizar a humanidade e ocasionalmente trazem consigo uma pessoa ao retornar ao submundo.  Eles são seres incorruptíveis, não possuem a necessidade de comer e nem beber e não possuem desejos sexuais. Conta-se que eles odeiam em especial as crianças.

No mito da descida de Inanna/Ishtar ao submundo, esses demônios foram enviados por Ereshkigal para buscar Dumuzi/Tammuz, consorte de Inanna/Ishtar, e levá-lo até Irkalla, onde ele ocuparia o seu lugar. Esta foi a condição que Ereshkigal estabeleceu para permitir que Inanna deixasse o local.

 

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

12 de julho de 2017

Akabeko

۞ ADM Sleipnir



Akabeko (jap: 赤 べ こ, "vaca vermelha") é uma vaca lendária da antiga região de Aizu (hoje Fukushima) no Japão, que inspirou um brinquedo tradicional.

O brinquedo é feito com dois pedaços de madeira coberta de papel-mâché, moldados e pintados para parecer uma vaca ou boi vermelho. Uma peça representa a cabeça e o pescoço da vaca e a outra é o corpo. A cabeça e o pescoço pendem em uma corda e se encaixam no corpo oco. Quando o brinquedo é movido, a cabeça se move para cima e para baixo e também de lado a lado. Os primeiros akabeko foram criados no final do século XVI ou início do século XVII.

 
Ao longo do tempo, as pessoas chegaram a acreditar que esses brinquedos poderiam afastar a varíola e outras doenças. A confecção do Akabeko tornou-se um dos ofícios mais famosos da prefeitura de Fukushima e um símbolo da região de Aizu. Também foi reconhecido como um símbolo da região de Tōhoku, da qual a prefeitura de Fukushima é parte. 

Origem da lenda

De acordo com uma lenda de Aizu registrada pelo historiador Thomas Madden, os brinquedos akabeko são baseados em uma vaca vermelha real que vivia na região em 807 d.C. Naquela época, um monge chamado Tokuichi estava supervisionando a construção de Enzō-ji, um templo localizado em Yanaizu, Fukushima. Após a conclusão do templo, a vaca entregou seu espírito a Buda, e sua carne imediatamente se transformou em pedra.


Outra versão da lenda afirma que a vaca em vez disso se recusou a abandonar os terrenos do templo após a construção ser completada, e acabou se tornando uma estátua permanente lá. A vaca vermelha foi chamada de akabeko (onde aka = vermelho e Beko é um dialeto de Aizu para vaca) e se tornou um símbolo de devoção zelosa ao Buda.

Após Toyotomi Hideyoshi solidificar seu poder sobre o Japão, seu representante, Gamō Ujisato, foi enviado para ser o senhor da região de Aizu em 1590. Em seu novo posto, Ujisato ouviu a história de Akabeko e ordenou aos artesãos da corte que o acompanharam de Kyoto, que criassem um brinquedo baseado na vaca vermelha. Estes primeiros akabekos de papel-mâché introduziram a maioria dos elementos básicos pelos quais o brinquedo é conhecido.

No mesmo período, o Japão sofreu um surto de varíola. As pessoas em Aizu perceberam que crianças que possuíam brinquedos akabeko pareciam não pegar a doença. A cor vermelha do akabeko pode ter aumentado esta associação, já que acreditasse que amuletos vermelhos protegem contra essa doença. Os brinquedos Akabeko tornaram-se muito populares como encantos para evitar a doença, uma superstição que persiste nos tempos modernos. O brinquedo tornou-se um dos poucos artesanatos da Prefeitura de Fukushima a ser conhecido em todo Japão  e um símbolo da região de Aizu. 

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!
Ruby